Educação convoca professores e funcionários para 2º ano da Campanha “Aqui mosquito não se cria”

A Secretaria Municipal de Educação (SME) convocou os seus 70 mil professores e funcionários para dar continuidade à campanha “Aqui mosquito não se cria”. A mobilização começou nesta quarta-feira (dia 21/02) com os diretores das 1537 das escolas da Prefeitura do Rio, acompanhados de um professor de ciências ou coordenador pedagógico de sua unidade, em seminário no Centro de Convenções da SulAmérica, na Cidade Nova.

 

Nesse ano, a campanha apresenta a toda a Rede Municipal uma iniciativa internacional, trazida ao país pela Fiocruz, com uma alternativa natural e segura para o controle da transmissão dos vírus da dengue, zika e chikungunya, e também da erradicação do transmissor das doenças, o mosquito Aedes aegypti.

 

  • Estamos aqui para compreender essa nova técnica. Nossos diretores, líderes locais das suas comunidades escolares, serão fundamentais para expandir essa iniciativa e mobilizar a população. Se bem executada, a cidade pode se livrar desses grandes males em um prazo de três a cinco anos, mas para isso a Fiocruz precisa de ajuda. Temos orgulho do nosso trabalho e consciência da nossa missão. Juntos formamos um time pela erradicação do Aedes aegypti da nossa cidade – afirmou o secretário municipal de Educação, César Benjamin.

 

O projeto tem por objetivo a substituição de uma população de mosquitos que transmite dengue, zika e chikungunya por outra que não oferece risco ao homem. A técnica propõe a liberação de mosquitos Aedes com a bactéria Wolbachia em uma determinada área. A Wolbachia é retirada da mosca da fruta e introduzida nos ovos do Aedes sem nenhuma modificação genética. O método constitui uma alternativa autossustentável, pois no cruzamento com mosquitos de campo, a fêmea portadora da Wolbachia transmite a bactéria aos seus filhotes. Dessa forma, a Wolbachia se perpetuará nas gerações futuras de mosquitos sem o vírus da dengue, zika e chikungunya.

 

Para o pesquisador e líder do Projeto World Mosquito Program (WMP) no Brasil, Luciano Moreira, a Wolbachia é uma saída para erradicação do mosquito Aedes aegypti portador de vírus, porém é essencial que a população continue combatendo os mosquitos que já estão infectados:

 

– Nosso objetivo é que cada vez mais tenhamos menos mosquitos Aedes aegypti nas comunidades. A parceria com a Rede Municipal, que atinge milhares e milhares de pessoas é muito importante neste processo de combate ao mosquito. Acredito que através da educação podemos mudar as condições do nosso país.

 

Em 2017, diante da grande quantidade de casos das doenças, a cidade de Rio de Janeiro instituiu estado de alerta contra a tríplice epidemia de arboviroses. A Campanha “Aqui mosquito não se cria”, iniciada em fevereiro de 2017, mobilizou as escolas municipais com ações práticas e de conscientização da população sobre medidas de prevenção das doenças. A campanha movimentou as comunidades escolares para a promoção de um ambiente saudável, sem a proliferação do mosquito.