Minas confirma mais 13 casos de febre amarela e número de infectados chega a 97

postado em 27/01/2017 18:53 / atualizado em 27/01/2017 19:05

João Henrique do Vale

http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2017/01/27/interna_gerais,843018/minas-confirma-mais-13-casos-de-febre-amarela-e-numero-de-infectados-c.shtml

O número de mortes no Estado continua o mesmo. Já forma confirmados 40 óbitos pela doença.

A febre amarela continua em alta em Minas Gerais. Foram confirmados mais 13 casos da doença, elevando o número de pessoas infectadas para 97. De acordo com o balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) no fim da tarde desta sexta-feira, já foram 486 casos notificados. Do total, 19 foram descartados. Ainda são investigados outras 370 notificações.

Os dados da SES são diferentes dos divulgados pelo Ministério da Saúde. Nesta sexta-feira, o órgão atualizou o número da febre amarela no Brasil. Em Minas Gerais, consideram que foram 504 notificações. Estão incluídos casos de pessoas da Bahia, Espírito Santo, Goiás, São Paulo, e Distrito Federal, cujo local provável de infecção é Minas. Segundo a SES, os casos não foram incluídos no balanço divulgado pela pasta, pois ainda estão em avaliação epidemiológica para identificar o local de infecção.

A febre amarela continua em alta em Minas Gerais. Foram confirmados mais 13 casos da doença, elevando o número de pessoas infectadas para 97. De acordo com o balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) no fim da tarde desta sexta-feira, já foram 486 casos notificados. Do total, 19 foram descartados. Ainda são investigados outras 370 notificações.

Os dados da SES são diferentes dos divulgados pelo Ministério da Saúde. Nesta sexta-feira, o órgão atualizou o número da febre amarela no Brasil. Em Minas Gerais, consideram que foram 504 notificações. Estão incluídos casos de pessoas da Bahia, Espírito Santo, Goiás, São Paulo, e Distrito Federal, cujo local provável de infecção é Minas. Segundo a SES, os casos não foram incluídos no balanço divulgado pela pasta, pois ainda estão em avaliação epidemiológica para identificar o local de infecção.

O número de mortes no Estado continua o mesmo. Já forma confirmados 40 óbitos pela doença. O atual cenário epidemiológico da enfermidade revela ainda que entre os óbitos confirmados 90%, ou seja, 29 pacientes, eram do sexo masculino, com média de idade de 43,9 anos.

Foram considerados casos confirmados, aqueles que apresentaram exame laboratorial detectável para a doença; exame laboratorial não detectável para dengue; histórico vacinal; sinais e sintomas compatíveis com a definição de caso e exames complementares que caracterizam disfunção renal/hepática.

Os municípios com rumor de morte de macacos, o que é indício da presença do vírus da febre amarela, já chega a 79. Em 19 deles foram recolhidos primatas que estão sendo investigados. Belo Horizonte é um dos municípios que registrou mortes de primatas. Foram três mortes dos animais na capital mineira.

Segundo a Secretaria Municipal de Belo Horizonte (SMSA), eles foram encontrados em quintais de casas em diferentes regiões da cidade. Por isso, a pasta ressalta que não há evidência de epizootias, quando acontece concentração de mortes de animais atribuídas a uma mesma causa, que estão em mesmo local, por doença contagiosa de propagação rápida.

Os animais foram recolhidos e encaminhados para o Laboratório de Zoonoses, onde é realizada a necropsia daqueles corpos que estejam em boas condições e feito o teste de raiva. O animal é encaminhado para a Fundação Ezequiel Dias (Funed) que, por sua vez, encaminha para o Instituto Evandro Chagas, para que sejam feitos outros exames, como por exemplo, o de febre amarela. “A análise de primatas mortos ou com comportamento alterado é um trabalho de vigilância realizado, de forma rotineira, ao longo de todo o ano pela Gerência de Zoonoses da SMSA”, explicou a pasta.

A secretaria afirma que “esses primatas não apresentam riscos para a saúde humana, e que estes não transmitem a febre amarela. Pelo contrário, os animais doentes ou mortos que são encontrados são um importante sinal para a vigilância de possíveis doenças”. O secretário municipal de saúde, Jackson Machado Pinto, afirmou que a vacinação foi reforçada na capital. “BH é um grande centro de apoio as regiões que estão tendo surto. Então, tomamos todas as medidas de ordem de proteger a população de Belo Horizonte de possíveis e eventuais transmissões a pessoas da cidade”, afirmou.

Confira abaixo quais são os sintomas desta doença passo-a-passo:

Febre amarela

Infecção viral transmitida por determinadas espécies de mosquitos.

Muito rara

Menos de 1 mil casos por ano (Brasil)

Pode ser evitada por meio de vacina

Não tem cura, mas o tratamento pode ajudar

Propaga-se por animais ou insetos

Requer um diagnóstico médico

Frequentemente requer exames laboratoriais ou de imagem

Curto prazo: resolve-se dentro de dias a semanas

A febre amarela é transmitida por uma espécie de mosquito comum na África e na América do Sul. É recomendado vacinar-se antes de viajar para certas áreas.

Casos moderados provocam febre, dor de cabeça, náusea e vômitos. Casos mais graves podem gerar problemas cardíacos, renais e hepáticos fatais.

Não há tratamento específico para esta doença. Os esforços se concentram no gerenciamento dos sintomas e na limitação das complicações.

Como é a propagação

Por picadas ou ferroadas de animais ou insetos.

Sintomas

Requer um diagnóstico médico

Casos moderados provocam febre, dor de cabeça, náusea e vômitos. Casos mais graves podem gerar problemas cardíacos, renais e hepáticos fatais.

As pessoas podem ter:

Dor local: abdômen, costas ou músculos

No corpo: calafrios, fadiga, febre, mal-estar ou perda de apetite

No aparelho gastrointestinal: náusea ou vômito

Também comum: confusão mental, dor de cabeça, hemorragia ou

icterícia

Tratamentos

O tratamento consiste no uso de fluidos

Não há tratamento específico para esta doença. Os esforços se concentram no gerenciamento dos sintomas e na limitação das complicações.

Cuidados médicos

Reidratação: Substituir fluido corporal por meio da ingestão de mais líquidos ou administração de fluidos por terapia intravenosa (IV).

Terapia de reidratação oral: Administração de fluidos por via oral para tratar a desidratação causada pela diarreia.

Medicamentos

Anti-inflamatórios não esteroides: Alivia a dor, diminui a inflamação e reduz a febre.

Especialistas

Médico de doenças infecciosas: Trata infecções, incluindo as de natureza tropical.

Médico de viagem: Gerencia questões de saúde que podem afetar pessoas que vão viajar.

Clínico geral: Previne, diagnostica e trata doenças.

Médico de emergência: Trata pacientes no setor de emergência.

Doença grave: consulte um médico para receber orientação

Observação: as informações exibidas descrevem o que geralmente acontece com uma condição clínica, mas não se aplicam a todas as pessoas. Essas informações não são uma consulta médica. Portanto, entre em contato com um profissional da área de saúde se você apresentar um problema médico. Se você acredita ter uma emergência médica, ligue para seu médico ou para um número de emergência imediatamente.